Eu te amo tanto que dói!

Renata Cassini

Desabafo Anônimo: Carta à minha filha Valentina (Nina),

Amor, antes de tudo quero que você entenda que você é o amor da minha vida, o maior de todos, que te amo mais que tudo e mais que a mim mesma.
Eu tive uma vida estranha, não sei quem foi minha mãe, fui adotada da forma adoção à brasileira(!?), como diziam os antigos. Um sinônimo para adoção sem forma legal, o famoso : peguei uma criança de alguém e criei como minha!
Tive um pai maravilhoso, seu avô. Ele era tudo pra mim, me levava ao médico, me penteava, passeávamos e tenho com ele minhas melhores lembranças. Ele é minha referência e é o espelho de tudo que quero ser para você. Ele faleceu em 2012. Um ano após meu casamento com seu pai.

A mulher que me criou, eu não consigo chamar de mãe. Nossa relação sempre foi tão complicada, tal ponto que nunca me senti amada por ela e não a tenho como modelo da mãe que quero ser. Por isso, desde criança, me sinto órfã de mãe.

Nunca me contaram nada sobre meus pais biológicos ou minha história. Não sei de onde vim, quem sou, com quem pareço. Parece bobagem falando assim, mas são referências que, para quem não tem, faz a maior diferença. Hoje olho seus pés e sei que são iguais aos meus, desculpas por isso (risos), dizem que você é a minha cara, mas acho seus olhos os mais incríveis que já vi. Acho você muito mais bonita e brilhante que eu.
Sempre quis ser mãe. Talvez por me sentir sem família, um peixe fora d’água apesar do esforço do pai que me criou. Meu maior sonho desde menina sempre foi ser mãe. No entanto, eu sempre tive muito medo de não dar a minha filha o pai que ela merece. Conclusão: demorei demais até achar seu pai, ficar amiga dele e perceber o quão especial ele é. Ele é mais que meu amor e companheiro, ele é o pai que escolhi para você, pois é um homem maravilhoso. Sei que, se algum dia eu te faltar (e morro de medo de isso acontecer, pois minha maior alegria é pensar em viver até você ter seus próprios filhos e poder estar ao teu lado para tudo), ele vai dar conta do recado. Ele é mesmo maravilhoso. Eu o amo demais. Ele é doce e calmo, tranquilo e amoroso. O melhor. Escolher tanto me fez ter que esperar um pouco mais de tempo para te ter, tive você já depois dos 30 anos.
Como mulher, quando eu senti que chegou a hora, ainda assim eu tive medo das consequências de ser mãe. Não de você, mas desse mundo, que é louco. As pessoas andam egoístas, não dão mais lugar aos mais velhos nem às grávidas nas filas, nos assentos, as mulheres ainda sofrem muito preconceito com tudo, muitas são demitidas por engravidar. Eu decidi engravidar depois de conseguir um emprego que eu gostava e estar ganhando o que eu achava que dava. Acontece que não dá para controlar a vida. Passei anos esperando estar neste emprego para ter você, logo que voltei da licença-maternidade fui demitida. Não posso dizer que odiei. Ficar sem dinheiro nesta situação não é bom. Sempre fui muito desorganizada com as finanças, ao contrário do seu pai, eu sempre estou sem grana. Mas poder ficar com você até o seu primeiro ano foi mágico. Você mamou no peito até eu voltar a trabalhar, quando você tinha um ano e um mês. Fiquei triste, mas partiu de você. Um belo dia você não quis mais mamar e pronto. Laços que se desfazem. Temos que aceitar.
Voltando lá para a minha criação, tive orientação evangélica. Quando conheci seu pai, ele me apresentou a Umbanda. Aí descobri como a religião evangélica me ensinava a ser preconceituosa, acreditando que todas as outras crenças são demoníacas. É uma armadilha acharmos que o outro, o diferente, o que não se encaixa em nossos padrões é ruim. Não faça isso. Seja uma menina aberta, tente compreender os outros, o ponto de vista do outro. Isso é importante. Num mundo de pessoas vazias e mal educadas, precisamos insistir em fazer diferente.Bom, continuando, por que te falei isso? Porque quero que você saiba um pouco sobre minha fé. Acho toda a cultura da religião negra (africana) linda e mágica. Se não for seu caminho, entendo, mas peço que não crie preconceitos.

A Umbanda me encantou, me descobri médium. Meus guias sempre estiveram ao meu lado. Meu malandro me avisou sobre o falecimento do meu pai, me preparando com antecedência para aceitar sua partida e, para mim, isso foi uma das maiores caridades que meus guias me fizeram. Para você ver como meu pai era importante, ele já tinha 80 e poucos anos e eu ainda não aceitava a ideia de um dia ele partir. Foi duro. Enfim, nunca é fácil perdermos quem amamos. Ele era minha única família.
Eu falei sobre isso para te contar que, anos antes de você nascer, desde que eu entrei para a Umbanda, lá em 2009, você aparecia no meu jogo de búzios, você já tinha nome (Valentina, de valente, parecida com meu orixá, Iansã) os guias me falavam de você, minha erê, a Mariazinha do rio, me dizia que você queria vir e que era uma menina. Eu sempre soube. Esperei a minha vida toda pra te ter comigo. Te amo de um jeito que não sei nem explicar. Dói ter que sair para trabalhar e te deixar na creche. Dói não poder estar com você todas as horas de todos os dias. Dói não te dar avós e não poder te dizer qual minha origem, que, por consequência, é a sua. Se eu pudesse viveria só para estar com você e ser a melhor mãe, mas temos que ganhar dinheiro para viver. Hoje em dia com todos na família trabalhando, ainda assim não é fácil pagar as contas.
Meus pais ficaram em casa comigo, a mãe que me criou era cabeleireira e trabalhava em casa, seu avô ficou cego quando eu tinha cinco anos então ficava sempre comigo. Mas, para mim, isso não foi tão bom. Eles não puderam me dar condição de quase nada na vida. Eu tinha casa, comida, mas estudei a vida inteira em escolas públicas, numa época que falar inglês é essencial, eu não podia fazer o curso porque não tinha dinheiro. Para eles eu seria manicure ou cabeleireira e esse era meu destino. Para mim não estava bom. Prestei vestibular com 16 anos, passei para a UniRio e para a Uerj, biblioteconomia e letras. Resolvi cursar biblioteconomia. Foi um tempo bom, com 18 percebi que não daria dinheiro e que eu precisava de algo que alavancasse minha vida. Resolvi trabalhar como vendedora em loja de shopping para pagar a faculdade de Direito. Consegui me formar, sou advogada, mas não, a vida não se resolve tão fácil. Não fiquei rica, mas tenho uma vida bem melhor do que era reservado para mim. Hoje você fica numa das melhores creches do bairro, moramos num lugar legal, temos uma boa vida, apesar de não termos tudo.O que quero dizer com isso? Estude! Acredite sempre em você! Estude! Só estudando você se transforma, aprende novos conceitos, raciocínios. Você pode ser o que você quiser, basta estudar. Eu não tive tantas oportunidades, mas trabalho para te dar todas. Abro mão de estar com você hoje para trabalhar, somente porque quero que você tenha todas as oportunidades que eu não tive.
Seja feliz filha! É meu maior desejo.

Te amo,
Mamãe.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s