Carta para as mães sem seus filhos

em

Querida, você não precisa passar este dia das mães como se não tivesse acontecido nada. Porque você viveu sim a maternidade, e muitas vezes ainda vive. Seu filho ou filha ainda existe em algum plano emocional, mental. Ele ou ela não foi, nem será esquecido por você.

Nós sabemos que palavras como “foi melhor assim”, “você é nova”, “Deus quis assim”, “não fique triste” não vão ser proferidas aqui na Temos. Mas esse tipo de julgamento chegará até você. E compreendemos que eles podem fazer doer. Muito.

Mas você também precisa saber que muitas pessoas estão olhando com mais empatia para seu sofrimento. E sabemos que você não precisa fingir que está tudo bem. Você age em cada momento da melhor maneira que pode. E que o direito a estar triste, nervosa, calma, brava, com medo ou feliz é completamente válido, e lhe ajuda a avançar em seu próprio caminho. Nós temos prazer em ouvir seus desabafos.

Obrigada por compartilhar cada momento da sua vida como mãe. Obrigada por fazer de nós mais atentas ao que acontece à mulher ao nosso lado; obrigada por seu enorme manejo das emoções, e que sempre podem ser espelho a outras mulheres; obrigada por seu amor incondicional; e muitas vezes, obrigada por transmitir tanta paz nesse momento tão difícil.

Somos ensinadas a ter horror da morte, a alimentar o tabu da não-reprodução, a calar diante do medo do desconhecido. E nesse jogo de silêncios, perdemos a nossa capacidade de ouvir livremente umas às outras. Idealizamos um modelo de felicidade, de família, de futuro, esquecendo que isso é só um imaginário, e pode gerar tensão e solidão.

Infelizmente, nessa seara, muitas de nós, mãe, ficamos doentes. Talvez, você saiba disso. Adoecemos de muitas maneiras, por muitas razões. Mas estamos aqui para dizer que podemos ter a companhia de bons profissionais, podemos ter os ombros uma das outras, e que esse pedido de ajuda sim, é para o nosso próprio bem.

Nós falaremos sempre que necessário para que sua dor não seja apagada ou minimizada. Discutiremos com médicos, psicólogos, terapeutas, outras mães, outros pais, pesquisadores, educadores e com quem mais for possível. Porque a única coisa que desejamos, querida mãe, é que sejamos mais plenas.

Afeto,

Temos que Falar Sobre Isso

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s