Eu não estou conseguindo suportar a dor

em

K., 39 anos, 2 filhos

Estou sem rumo… Comecei a namorar e engravidei com um mês de namoro. Nós decidimos seguir juntos, adiante, e sempre vivemos bem. Eu queria mais um filho, mas ele não. Até três anos atrás, quando decidimos em comum acordo termos um segundo filho. O nascimento da nossa filha coincidiu com um período turbulento no meu serviço, e acarretou que eu pedi demissão, porque o meu salário não compensaria o quanto gastaríamos para manter a bebê numa escola integral, e ainda tem que contratar alguma babá em eventuais noturnos e finais de semana. O meu dinheiro não faria falta, porque ele ganha bem. Minha filha nasceu perfeita, mas ela era extremamente dependente. Não dormia durante o dia, dormia muito mal durante as noites, eu vivia cansada, sem ânimo para nada. Ele nunca me ajudou. Nessa época, meu pai teve câncer. Logo após, a mãe dele teve câncer. E eu, que estava desempregada, era a pessoa que podia correr atrás de exames, de levar ao médico. Fiz e ainda faço com muito amor, porque a mãe dele sempre foi ótima para mim. Desde a doença da mãe dele, eu comecei a sentir que ele estava mais distante. Eu perguntei várias vezes, mas ele dizia que estava cansado, preocupado. Até o Carnaval desse ano, 6 meses depois do diagnóstico da mãe dele. Ele disse que não sabia mais o que sentia por mim, que estava estranho, tinha entrado numa rotina, que o sexo não estava bom… eu levei o maior choque da minha vida, porque não esperava! Eu esperava que ele conversasse comigo, quando tivesse se sentido pouco amado, e não guardasse essa mágoa e ruminasse até chegar a esse ponto! Conversei muito com ele, propus diálogos, saídas, psicólogo, enfim, fui atrás de tentar entender o que estava acontecendo, porque eu ainda o amo. Até semana passada, quando ele disse que não sentia mais nada por mim, não me deseja mais como mulher, que tudo acabou entre nós. Ele tinha concordado em tentarmos nos acertar, mas ele nunca tentou de verdade. Só eu. Estou fazendo terapia, procurando entender onde me perdi, o que faltou. Ele disse que vai sair de casa, já esquematizou a divisão de bens, o que vai pagar, tudo. Disse que vai sair, mas não foi atrás ainda de procurar um flat. Sempre pergunta se está me fazendo mal. Sempre pergunta se eu já falei alguma coisa para a família dele, e eu não vou fazer isso. Ele não me quer mais, mas continua me prendendo! Eu não estou mais suportando a dor, eu tenho manifestação física da dor emocional. A mãe dele está morando conosco até o término do tratamento, e eu tenho que fingir que está tudo bem frente à ela e aos meus filhos. Eu não estou conseguindo suportar a dor hoje. Eu não consigo olhar para ele e acreditar que tudo terminou. Eu não consigo ouvir minha filha de dois anos chamar o pai e não pensar que logo estaremos sozinhas. Eu não consigo nem lidar com a minha dor, que dirá a dor do meu filho. Hoje está sendo mais difícil que os outros dias.

Anúncios

2 comentários Adicione o seu

  1. Larissa Azevedo disse:

    Quando tiver difícil enfrentar sozinha, busque ajuda de pessoas de confiança, de profissionais, psicólogos! Você não precisa guardar isso tudo só para você! Fique bem!

    Curtir

  2. Larissa Azevedo disse:

    Eu não consigo imaginar a dor que você está sentindo… mas sinta-se abraçada e compreendida! As vezes nós não temos noção da força que temos e achamos que não somos capazes de enfrentar umas situação assim, mas nós somos… é difícil no início, mas é possível! Espero que você e seus filhos fiquem bem!!! Abraço apertado!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s