Marcos do desenvolvimento infantil de 0 a 4 meses de idade cronológica e corrigida

Por Teresa Ruas – 28 Janeiro 2017 – Minha teoria na vida…

Olá a todos os seguidores desse espaço. Hoje posto aqui alguns marcos do desenvolvimento durante os primeiros quatro meses de idade cronológicos e corrigidos – para prematuros e crianças de risco- como um recurso informacional para pais, educadores e profissionais da saúde, como uma forma potente de prevenção e promoção do desenvolvimento infantil. Se alguém possui dúvidas sobre o significado e importância da idade corrigida, posto aqui um texto sobre esse assunto http://teteruas.blogspot.mx/2015/11/o-que-significa-idade-corrigida-vamos.html

Quando afirmo sobre a importância de ações como a prevenção de possíveis dificuldades e/ou atrasos no desenvolvimento infantil, não estou negando sobre a importância de respeitarmos o ritmo, o tempo e as particularidades do desenvolvimento dos bebês, especialmente aqueles que nasceram prematuros e/ou em outra situação de risco.

Respeitar o ritmo e o tempo de cada criança é essencial. Por isso mesmo, tem crianças que adquirem comportamentos importantes um pouco antes do tempo estipulado pelos especialistas, outros depois. E ainda, existem aquelas crianças que pulam algumas etapas típicas, como, por exemplo, andar, sem, necessariamente, engatinhar. Portanto, quando listamos alguns marcos  importantes no desenvolvimento, não queremos normatizar os ritmos e diferentes tempos de aquisição. Apenas desejamos ser um meio de informação para evitarmos situações mais difíceis durante a infância e que podem ser detectadas o mais rápido possível.

Seguem alguns marcos importantes no desenvolvimento durante os primeiros 4 meses de idade cronológicos e corrigidos. Este capítulo faz parte da obra Prematuridade Extrema: Olhares e Experiências, da Editora Manolle, 2016, escrito por Teresa Ruas e Heloísa Gagliardo.

1 Mês de idade cronológica e 1 mês de idade corrigida

  • Interesse breve em olhar para estímulos luminosos, como, por exemplo, uma fonte de luz vinda de uma janela e/ou luminária.
  • Figuras e brinquedos com alto contraste (preto/branco; amarelo/preto; vermelho preto) e geometricamente simples despertam o interesse visual do bebê e o motivam a olhar, mesmo que seja brevemente.
  • Grande interesse pela face humana e pelos movimentos de olhos, bocas, sobrancelhas. Olhar para a face humana é um dos momentos mais prazerosos e lúdicos para o bebê, além de ser um sinal de saúde ocular.
  • Habilidade, ainda inconstante, para realizar o contato de olho, fixar e seguir objetos na trajetória horizontal. Mas ao final do primeiro mês, realiza essas habilidades, mantendo-as por alguns segundos.
  • Capacidade para enxergar até uma distância entre 20 a 30 cm. Esta distância é o equivalente a um palmo de mão aberta e/ou a distância entre os olhos do bebê e a face da mãe no momento da amamentação.
  • Choro frequente, pois é a forma que o bebê tem para comunicar algo. Como é a sua principal forma de comunicação, o choro não significa apenas desconforto ou mal estar, pode ser também um sinônimo de euforia e/ou excitação.
  • Presta atenção aos sons do ambiente, voz materna e aos brinquedos sonoros, mas ainda não localiza, diretamente, a fonte sonora.
  • Assusta-se frequentemente com sons altos, reagindo com o piscar dos olhos ou movimentos corporais.
  • Faz arrulhos e murmúrios (barulhinhos com a língua e boca)
  • Movimenta, de forma aleatória e descoordenada, todas as extremidades do corpo, inclusive mãos e dedos, que se abrem e se fecham espontaneamente.
  • As mãos estão frequentemente fechadas e quando o cuidador colocar o dedo sobre a palma da mão do bebê, ele fechará a mão e a manterá assim por algum tempo.
  • Acalma-se no colo, pois o bebê adora sentir o cheiro da mãe, os batimentos cardíacos, a frequência respiratória e permanecer bem apertadinho. É assim que ele estava na barriga da mãe.

2 Mês de idade cronológica/idade corrigida

  • O sorriso começa a aparecer com maior frequência diante do contato de olho e da face humana. Este sorriso chama-se social, pois ocorre diante da interação/relação com o outro. Passa a ser totalmente intencional, não mais reflexo.
  • A habilidade em dirigir os olhos para algo atrativo e manter o foco visual (contato de olho, fixação visual), ainda na distância entre 20 a 30 cm, é expressa de forma mais direta e estável. A não realização destas funções pode ser um indicativo importante de alteração visual.
  • O seguimento de objetos coloridos e contrastantes na trajetória horizontal é feito de forma mais coordenada e harmoniosa.
  • Alguns bebês já conseguem iniciar o acompanhamento visual de objetos atrativos na trajetória vertical.
  • Inicia a vocalização de sons de vogais (oohh, aahh, eehh), principalmente quando um adulto se aproxima de sua face e fala com ele.
  • A atenção aos sons do ambiente e/ou brinquedos sonoros está bem presente. O bebê já realiza, ainda de forma inconsistente, a busca auditiva lateral (direita e esquerda). Este é um sinal importante de saúde auditiva.
  • O bebê ainda pode se assustar (estendendo todas as extremidades do corpo) diante de sons altos e/ou inesperados. Esta resposta, chamada de reflexo de moro, é outro sinal muito importante de audição nos bebês.
  • Os membros superiores e inferiores estarão assimétricos, isto quer dizer que o bebê poderá ter um braço fletido e o outro estendido e assim também com as pernas. Este padrão motor é uma característica do final do primeiro mês e segundo mês. Mas, persistência deste padrão após o quarto mês, cronológico ou corrigido, é um sinal indicativo de alteração neurológica, principalmente quando é constante.
  • O bebê se acalma quando ninado, acalentado no colo, ou quando ouve melodias, principalmente diante da voz materna. O não acalmar diante da voz, cheiro e acalento materno deve receber uma atenção especial.

3°/4º meses de idade cronológica e corrigida:

  • A fixação e os seguimentos visuais estão desenvolvidos e coordenados. Nesse período, os bebes realizam as funções visuais básicas, fundamentais para o desenvolvimento visual. Eles percebem luz e objetos em seu campo visual, buscam e localizam visualmente, mantém a fixação visual no objeto de interesse e seguem os movimentos dos objetos em todas as direções. A falta destas funções é um indicativo importante de alteração visual.
  • Uma das maiores características desta fase é a exploração visual de mãos e dedos. O bebê está exercitando e desenvolvendo a coordenação olho-mão, fundamental para aprender a dirigir a mão para o objeto que visualiza. Ele pode permanecer horas olhando o movimento de suas mãos e dedos, além de colocá-las na boca. O fato de colocar a mão na boca e chupar os dedos não significa fome, pois o bebê até os dois anos de vida leva tudo à boca. É assim que ele aprende como são as texturas e os formatos/formas. Exatamente por isso, chamamos o período de 0 a 2 anos de oral.
  • O bebê adquire a habilidade de alternar a visão entre mão-objeto-mão, por isso explorará visualmente tudo o que estiver ao alcance de suas mãos, inclusive, começa a pegar os pés, que se movimentam ativamente.
  • Exatamente diante da aquisição da coordenação visuomotora (mão-objeto-mão), fará com grande frequência o alcance visualmente guiado, ou seja, pegará tudo o que estiver ao seu alcance (grande interesse por objetos novos e complexos). Agora as mãos estão abertas e aptas a pegarem voluntariamente os objetos. As mãos se manterem fechadas e rígidas é um sinal importante de alteração neurológica.
  • O bebê já enxerga em uma distância maior e agora já demonstra interesse em objetos menores e/ou detalhes nos objetos. Isto ocorre, pois a sua visão está muito mais nítida.
  • Os objetos coloridos, não somente os com alto padrão de contraste, chamarão muito a sua atenção. Portanto, a falta de interesse de um bebê em olhar, seguir e segurar em suas mãos um objeto/brinquedo atrativo deve ser acompanhada com atenção. Este comportamento pode ser indicativo de alterações visuais, auditivas, cognitivas e/ou neurológicas.
  • Os bebês já adquiriram controle de cabeça. Agora a cabeça está firme e quando colocados de barriga para baixo, conseguem elevar e sustentar a cabeça com facilidade para explorar visualmente tudo o que estiver ao seu alcance. A falta de controle cervical pode ser um importante sinal de alteração neurológica e/ou falta de estímulos ambientais.
  • Os bebês conseguem se virar sozinhos. A falta de movimentação voluntária e de forma mais coordenada deve ser acompanhada.
  • Grande interesse por sons e brinquedos sonoros. O bebê localiza com mais facilidade a fonte sonora dos lados direito e esquerdo. A não localização dos sons deve ser acompanhada.
  • Sorri com grande frequência, especialmente, diante do contato de olho/face a face.
  • Balbucia e faz muitos gritinhos. Adora ouvir as suas próprias vocalizações.
  • Dirige o olhar para a pessoa, a qual emitiu o seu próprio nome.
  • Adora o colo, massagens e brincadeiras que movimentem o seu corpo.

Em outro post, falarei dos 5 aos 9 meses. Aguardem!

Um grande beijo, Tete Ruas, Maitê Maria e Lucca.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s