Não consigo fazer nada por mim

Anônima, 1 filha e gestando outro, gerente administrativo, 25 anos.

Desabafo Anônimo: Sou uma pessoa que sempre defendi as mulheres, mesmo quando ainda nem sabia o que era feminismo. Nunca aceitei qualquer tipo de violência contra a mulher e acreditava que por conhecer bem nunca aconteceria comigo…

Fui criada de forma muito rígida e isso sempre me fez uma ótima dona de casa… talvez já sofresse violência desde então e nunca percebi… Mas isso me fazia “a mulher perfeita” pra qualquer homem. Aquela que nunca saiu, nunca bebeu, não conhece baladas e etc… Só sabe estudar, trabalhar e cuidar da casa…

De certa forma sentia pena dele, mas no fundo sempre soube quem ele era… Achava que exagerava e que poderia ser controlado ou moderado… Me enganei profundamente!

Sendo simples, objetiva e discreta com detalhes: fui agredia com “tapinha de brincadeira” na frente de amigas, “enforcada de brincadeira” por ser muito confusa quando na verdade já tinha dito várias vezes o que queria, e na verdade ele não queria comprar o que pedi… E as agressões psicológicas vão desde chamar de louca, dizer que só trabalho porque ele conseguiu o emprego, e que qualquer juiz tiraria a guarda do meu filho pois tive depressão até dizer que meu corpo já não é o mesmo, que tenho estrias, e que eu mesma sabia que não seria tão fácil arrumar outro homem…

Precisei trocar todas as minhas senhas… fui acusada de traição e ele controlava tudo do meu facebook até whatsapp com a desculpa de que conversava com homens e que queria fugir com um deles, depois que o estava traindo e ele queria saber se era verdade ou não. Mesmo com a troca das senhas eu sempre apago todas as conversas que tenho sobre esse assunto com qualquer pessoa, pois, tenho medo. Ele não gosta de me ver conversando com ninguém – nem homem nem mulher.

Falei que tudo que ele estava fazendo era violência e agora qualquer coisa que mostro ou comento sobre isso estou me direcionando a ele, ele fica nervoso e já falou que vai acabar perdendo a cabeça…

Com tudo isso qualquer mulher já teria desistido e estaria aceitando a situação como se ela fossa errada, mas eu conheço bem os tipos de violência… Já ajudei várias mulheres a saírem dessa situação, mas hoje não consigo fazer nada por mim… Estou grávida e acho que devo continuar com ele por causa da gravidez e aceitar algumas coisas pra ele curtir a gravidez comigo, mesmo que ele continue sendo controlador, obsessivo e ciumento.

Me sinto humilhada, triste, abalada emocionalmente e fisicamente casada… Parece que nado contra a maré e nada resolve, quero sair dessa situação mas não tenho apoio familiar e não sei nem por onde começar… Minha decisão está tomada, mas ainda estou perdida!

Anúncios

1 comentário Adicione o seu

  1. Nicole disse:

    Sei bem como é essa situação, companheira.
    Estou a três semanas separada do meu algoz e me sinto confusa e infeliz mas eu sei q vai passar. Procure uma terapeuta. Foi através da terapia q conseguir ter força para terminar a relação abusiva. Minha filha está bem melhor longe da violência dele.
    Coragem! aceitação! Serenidade!
    Um grande abraço

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s