Juntas amamentamos!

Por Thais Cimino – 07 Janeiro 2017 · Imagem destacada da fotógrafa Jade Beall


Não, nada nem ninguém vai mudar o fato de que o aleitamento materno é o melhor e mais completo alimento para o bebê humano (e traz incontáveis benefícios para a mulher também).

Em meio a olhares condenatórios e ao tabu que gira em torno do peito que alimenta em um local público – olhares esses, diga-se de passagem que se orgulham do peito que balança ao som do samba – conseguimos no Brasil amamentar exclusivamente em média 54 dias, o que é um número muito baixo se comparado às recomendações mínimas, mas um número alto se comparado a diversos países da Europa.

w586rcepyx0sz6zj9yiidjnaxc7kjhtkqwx7qiyxtsqdplmokgkamd05q6m_zdj3iosabmymkeqxdtg-4q8gmc
Imagem de Caitlin Domanico

Agora infelizmente é utópico e de um privilégio enorme darmos por certo, acharmos, ou aconselharmos pensando que todas as mulheres:

  • têm informação facilmente, claramente e ao seu alcance,
  • são atendidas, podem escolher ou podem pagar por profissionais (pediatras/ginecologistas) qualificados especialistas em aleitamento materno,
  • têm acesso/tempo de ir/proximidade a um banco de leite na sua cidade que conte com profissionais qualificados (muitos têm sim, mas não todos),
  • têm dinheiro para pagar uma consultora de amamentação, psicóloga, fonoaudióloga, nutricionista, ou qualquer outro profissional,
  • têm opção de amamentar à livre demanda ou dar exclusivamente o peito nos primeiros 6 meses  extendendo até 2 anos ou mais quando trabalham o dia inteiro,
  • têm opção de se dedicar apenas ao bebê quando precisam trabalhar para sobreviver pois são as únicas provedoras e/ou precisam trabalhar para complementar a renda familiar,
  • têm uma rede de apoio (ou uma pessoa, um/a companheiro/a, familiar ou amiga) para ajudá-las… e poderia seguir a lista, interminável.

Enquanto a gente não consegue chegar nos padrões ideais (e eles existem???) que tal pelo menos aqui nesse espaço que é de acolhimento livre de julgamento, a gente praticar a tolerância e empatia? Ninguém aqui, nem da nossa parte, nem das participantes da página e do blog pode se considerar acima de tudo e todos, donas da razão ou verdades absolutas. Para quem não sabe, nós fazemos um trabalho tremendo nos bastidores, que ninguém vê.

Nós – tentamos – auxiliar a todas essas mulheres que deixam seus Desabafos (hoje mais de 650) de forma particular, nós respondemos a cada uma delas, temos uma equipe de profissionais que trabalham voluntariamente para isso. Muitos dos e-mails que enviamos voltam por estarem incorretos, problemas com o servidor, vão para a caixa de SPAM ou simplesmente não são respondidos. Outros tantos chegam às mulheres e temos a oportunidade de conhecê-las melhor que apenas no Desabafo que deixaram por vezes de forma anônima. Aqui a gente busca formar uma rede de apoio, e para podermos apoiar precisamos estar abertas e livres de pré-juízos.

Quando uma mãe diz:

Eu não sinto prazer em amamentar, amamento porque é meu filho, ele precisa se alimentar e o leite materno é o melhor alimento. (Extraído de um Desabafo Anônimo)

nota-se já que ela está fazendo um esforço para dar o melhor para o seu filho pois SABE que isso é o melhor, e além do peito ela complementa com a fórmula. Se esse é o caminho que ela conseguiu encontrar, esse foi o compromisso que ela conseguiu fazer para seguir amamentando, acredito que cabe a nós respeitar a decisão dela, que foi feita dentro das possibilidades que ela têm, dentro da realidade que está inserida, com os profissionais que ela têm à disposição, com os recursos psicológicos que ela têm no momento. Ela diz claramente que o leite materno é melhor que o leite em pó, mas pede por favor, que não a olhem como uma ASSASSINA pelo fato de estar dando uma mamadeira para o seu filho, pois ela não está dando veneno para ele.

jtb_7926
Imagem de Jade Beall

Enquanto o discurso pró aleitamento materno – que é MUITO necessário e nós SEMPRE apoiamos – for cheio de imposições, regras imutáveis, demandas que não condizem com a realidade da maioria das mulheres, ligando a amamentação ao único, principal e mais importante vínculo mãe-bebê, “amor líquido” entre outras coisas, nós estaremos perdendo a luta para que as mulheres amamentem com sucesso.

Certamente não existe apenas uma forma certa e universal de amamentar. Certamente milhares de mulheres terão problemas reais, físicos/orgânicos que as impeça de amamentar, outras trabalharão jornadas massacrantes que as impossibilitarão de dar o peito exclusivamente, outras terão problemas psicológicos que dificulte o aleitamento, outras podem não desejar/não gostar/não ter prazer em amamentar, outras estarão mal amparadas por profissionais que não sabem nada sobre amamentação, outras podem ter tido bebês prematuros extremos que ficaram MESES em uma incubadora e não conseguiram ter sucesso com a amamentação, outras foram abusadas/abandonadas/violentadas pelos seus parceiros, outras não terão apoio de NINGUÉM… e mais uma vez segue a lista interminável de fatores e variáveis.

Conseguir amamentar em um país onde falta informação, faltam profissionais qualificados, faltam condições básicas de saúde, falta tempo de licença maternidade, falta suporte e redes de apoio para as mães, falta dinheiro para comer, (sobre)viver, vestir, aprender, falta empatia das outras mulheres/mães e da sociedade machista, falta um olhar sem privilégios para a realidade da maioria, falta igualdade, faltam 5.5 milhões de pais nas certidões de nascimento dos filhos… é muito mais do que difícil, é uma maratona cheia de obstáculos fadada ao fracasso! E julgar, apontar o dedo e condenar uma mulher que não conseguiu, pela razão que seja, amamentar, é culpabilizante, é cruel, é feio, é ineficaz…

Enquanto a gente seguir com esse posicionamento que não englobe a realidade e diversidade de mulheres que existem no nosso país, estamos gerando nas mães esse sentimento de CULPA, de INCAPACIDADE, de necessidade de se justificar, de ISOLAMENTO, de não-pertencimento, de raiva, de tristeza, de NÃO DAR CONTA, de FRACASSO.

Temos que informar, acolher, escutar, conscientizar com CARINHO, com apoio, com EMPATIA. RESPEITANDO as diferenças, as realidades que não vivemos, as necessidades de cada mãe e bebê E ACIMA DE TUDO AS POSSIBILIDADES de cada mulher.

Se seguirmos condenado às mães pelos seus insucessos com a amamentação (e qualquer outra demanda), estaremos alimentando a guerra, o radicalismo e a culpa que permeia o universo materno e afastando potenciais defensoras do aleitamento, ainda que não tenham logrado essa tão sublime e importante mas por vezes penosa e difícil tarefa que é a amamentação.

Então se você tem uma história de superação, dificuldade ou sucesso com a amamentação, aqui você pode contar a sua história e apoiar outras mulheres. Aqui é um lugar para que você possa se sentir à vontade para conviver pacificamente lado a lado com mães que amamentaram e mães que deram a mamadeira. Aqui é um lugar para unir e agregar.

mother-6
Imagem de Jade Beall

Se você quer deixar um Desabafo, pode fazer aqui de forma totalmente segura e anônima se assim o desejar. E nós iremos estar sempre à disposição para tirar as suas dúvidas, lhe escutar atentamente, ativamente e com muito carinho e solidariedade.

A maternidade é cheia de nuances e todas elas devem ser contempladas. Amor e dor, êxtase e tristeza, dificuldades e superações, aprendizados e ensinamentos. O importante é estarmos juntas para apoiar quem precisa desabafar o que está machucando para curar as feridas e crescermos mais fortes e seguras de que estamos fazendo o nosso melhor como mães!

Se você quer informação sobre amamentação visite o nosso site www.temosquefalarsobreisso.com.br e na página inicial acesse: Grupos e Material de Apoio > Puerpério · Pós-Parto > Amamentação

Você pode ler aqui Desabafos e outros textos sobre amamentação

Veja a nossa campanha de como você pode apoiar uma mãe que amamenta!


PS.: Antes que alguém venha dizer que quem dá mamadeira não amamenta, segue a definição do dicionário 😉

Significado de Amamentar

v.t. Dar de mamar; aleitar.

Amamentar é sinônimo de lactar: v.t.d. Dar leite a; dar de mamar; amamentar ou aleitar.

Amamentar é sinônimo de aleitar: v.t. Alimentar com leite.

Anúncios

1 comentário Adicione o seu

  1. C. B. disse:

    Tenho 26 anos e dois filhos pequenos…
    Sou casada e meu marido parece ser um ótimo companheiro. Faz de tudo em casa, trabalhador, cuida das crianças. Mas não me sinto feliz pq parece que ele foge de ter lazer comigo e com as crianças. Cobro muito isso dele e ele sempre alega não ter dinheiro ou faltar tempo.
    Já pensei e já falei sobre separação, mas ele fica agressivo e diz que se eu não for dele não serei de mais ninguém. Já falou que cortaria meu pescoço
    Tenho medo de me separar e ele levar meus filhos embora. Não me dou bem com a mãe dele, pra ser sincera, odeio toda a família dele. Uma bando de mesquinhos.
    E tenho medo de que ele tenha ajuda de algum deles pra levar meus filhos embora.
    Minha vontade é fazer as malas e sumir…Mas e se ele fizer mal a alguém dá minha família? Pressionar alguém pra dizer onde estou?

    Me sinto sozinha. Não posso contar isso aos meus pais pq não quero eles envolvidos nisso.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s