Desculpem o transtorno, mas preciso falar sobre casamento e filhos

em

Por Elisama Santos – 30 Novembro 2016 – Tudo Eu por Elisama Santos


Conheci meu marido faz nove anos. Não foi amor à primeira vista nem nenhuma história excessivamente melosa. Nos distanciamos por dois anos. Há sete nos reencontramos e em quatro meses estávamos casados. Casei porque queria dormir e acordar ao lado dele, porque estava cheia de sonhos e porque queria que ele fosse o pai dos meus filhos. Os filhos vieram, o primeiro, quatro anos depois. E a nossa vida ficou de pernas para o ar. Quando estávamos nos recuperando do tombo, a segunda veio. E desde então vivemos numa montanha russa, em dias de calmaria e dias de intensa tempestade. Cuidar de filho cansa. Em 98% dos dias somos acordados por uma das crianças, o que normalmente desencadeia o primeiro desentendimento do dia. “Sai do quarto com ele.” “Sai você…”, “Quem saiu ontem fui eu…” Muito doido, mas a gente disputa quem dormiu pior, quem tá mais cansado, quem merece mais 20 minutos na cama. Quando um dos filhos acorda na madrugada e vai pra cama, o outro é expulso da cama e vai dormir com a outra criança. Isso acontece inúmeras vezes na semana. A realidade é que ambos dormimos mal desde que os meninos nasceram. Noites de sono ininterrupto são a exceção, pelo menos aqui. Experimenta ter paciência, humor e compreensão com a cabeça estourando de sono. Não dá. A gente reúne as forças que tem pra ter paciência com as crias e conseguir concluir mais um dia. As contas chegam e, quando se tem duas crianças em sua dependência, elas parecem mais pesadas. Comida, escola, fruta, verdura, plano de saúde. As roupas e sapatos deixam de servir na velocidade da luz. A gente fica chato, sem se dar conta conta. Ontem completamos nosso sétimo ano de casamento. Comecei o dia na emergência pediátrica. Esquecemos completamente. No meio do dia eu lembrei e conseguimos uma escapada para tomar um sorvete. A noite transamos, mas nada de ficar abraçadinhos depois, porque o filho acordou gritando e vomitando. Fui dar banho na criança, ele foi trocar os lençóis e limpar o quarto, em silêncio, para não acordar a caçula. A verdade é que conviver é bem difícil. Conviver e educar leva o jogo para níveis altos de dificuldade. Um malabarismo diário pra manter a relação viva. Pra não esquecer que casei porque queria sentir o cheiro da pele dele todos os dias. A vida não é um conto de fadas, famílias não vivem em um comercial de TV. São muitos quereres pra equilibrar. Muitos pés pra caminharem juntos. Se antes comentávamos surpresos sobre quem casou ou engravidou, hoje lamentamos os casamentos que acabaram inesperadamente, enquanto nos esforçamos pra manter o nosso de pé. De repente acabou o espaço para fingimentos, pra joguinhos, pra máscaras. A maternidade/paternidade nos desnuda. A gente pára de brincar de casinha e vai viver a vida de gente grande. Não sei se todos os casamentos sentem a chegada dos filhos desta forma, mas já não somos mais os mesmos. Dos nossos sete anos juntos, os últimos quatro foram os mais inesperados, tensos e intensos. Por vezes nos perdemos no pai e mãe, esquecemos quem somos para além dos filhos. Crescemos, crescemos mais que o que podíamos imaginar. Não tenho a família perfeita. Não vivo o casamento dos sonhos. Mas entre lágrimas e risos, sobrevivemos a essa prova de fogo, juntos. Hoje, depois de um filho com febre, uma filha chorando e uma briga de bater a porta, concluo que não tá fácil pra ninguém. E que o felizes pra sempre é uma enigma. O felizes é transitório e inconstante. O para sempre é vivido um dia por vez, até quando o sempre fizer sentido. Sinto o casamento pós filhos me olhar no olho e, sem qualquer piedade, me desafiar: “Decifra-me ou devoro-te.”

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s