A dor da perda da pessoa que ia mudar minha vida

Elenir, um Filho (anjinho), operadora de caixa, 36 anos

Desabafo Anônimo: Minha maior felicidade foi quando eu descobri que estava grávida. Nossa… naquela noite não dormimos de tanta felicidade! Fiz todo o pré-Natal direito, tudo correu bem durante a gravidez. Com seis meses descobri que tinha diabetes gestacional; fiquei tomando insulina duas vezes ao dia, mas eu não sabia do risco que meu filho corria. Então, com 39 semanas entrei em trabalho de parto. Como sempre os médicos querem parto normal e eu não tinha dor de parir, meu filho morreu na barriga. Depois de morto, fui encaminhada para Teresina, onde tive meu filho morto de parto normal.
Como eu sofri com tantas dores! A primeira dor foi a da perda da pessoa que ia mudar minha vida, que ia fazer os meus dias mais felizes. Dei todas as coisinhas do meu BB, tive que tomar remédio para secar o meu leite, pois eu tinha muito… 9 meses se passaram, só restou saudade. Peço a Deus todos os dias para me dar forças para superar essa grande perda. Eu não vou desistir da segunda gravidez.
Tenho muita fé em Deus que vai dar tudo certo dessa vez!
Um forte abraço.
Essa é minha história.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s