Nosso Anjinho veio cedo demais

Miriane e Júnior, 01 filha (in memorian), Psicóloga e Gestor Empresarial. 32 anos

Minha esposa e eu fizemos planos, procuramos um médico, fizemos vários exames e consultas antes mesmo de ficarmos grávidos. Então, veio a notícia que estávamos esperando o nosso bebê. Fizemos o pré natal com várias consultas e exames, sempre constatava-se que estava tudo bem com a nossa filha. Até que no dia 06 de outubro de 2016 minha esposa começou a ter fortes cólicas, então resolvemos ir para o Hospital a fim de verificar o que estava acontecendo. No caminho mesmo já ligamos para o nosso médico; quando chegamos lá fomos para o pronto socorro e o médico de plantão, diga-se de passagem que não nos atendeu bem, nem sequer examinou a minha esposa. Para nosso alívio, em poucos minutos chegou o nosso médico e quando ele a examinou nos falou: “Está nascendo, o bebê quer nascer”. Então, ele já avisou toda a equipe que se preparasse para o parto, eu subi junto com a minha esposa e em poucos minutos ela nasceu. Toda a equipe correu para prestar todo o atendimento que era possível, foi quando o pediatra começou a maratona em busca de uma vaga numa UTI neonatal, até mesmo eu comecei a ligar. Observei no olhar, a angústia do nosso médico e do pediatra, que ligava para todos os hospitais da região até conseguir um leito de UTI no hospital de Curitibanos. A equipe do SAMU deslocou-se até Videira para buscar o nosso Anjinho, enquanto isso, a equipe de enfermeiras e médicos ficaram lutando junto com o nosso Anjo para mantê-la viva e ela lutou. Fiquei junto dela por alguns instantes, aí se passaram duas horas e pouco até o SAMU chegar em Videira. A minha esposa pode ver por um instante o nosso Anjinho antes da equipe colocá-la na ambulância para se dirigir ao hospital de Curitibanos. O médico do SAMU me alertou sobre a distância e o estado de fragilidade do nosso bebê, e eu falei para ele com uma dor no coração: “Seja o que Deus quiser”.

Então, eu e minha mãe nos dirigimos para Curitibanos, chegamos quase juntos com o SAMU, aguardamos por alguns minutos e de repente veio a equipe junto com o médico com um olhar triste e me falou: “Infelizmente ela não resistiu, fizemos tudo o que podíamos”. Eu os abracei em lágrimas e os agradeci, falei que sabia que eles tinham lutado junto com ela. O nosso Anjinho veio cedo demais, um pouco mais que seis meses de gestação. É claro que mesmo se tivéssemos uma UTI neonatal em Videira, ela poderia não resistir, mas isso aumentaria as chances dela sobreviver.

Mas depois de tudo o que vivenciei não consigo mais pensar somente no nosso Anjinho, muitas outras crianças ainda vão nascer e necessitar de cuidados especiais, por isso vamos lutar e precisamos do apoio de vocês para que possamos mobilizar os nossos governantes para que seja instalada uma UTI neonatal na cidade de Videira. Do fundo do meu coração eu não gostaria que mais pais tenham que passar pelo que passamos.

Grupo no Facebook: Lutando pela Vida – UTI Neonatal Videira – SC.

O link para assinar o abaixo-assinado é: Lutando pela Vida – Pela implantação de UTI Neonatal em Videira – SC

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s