Solidão materna

1 filho, publicitária, 27 anos


Há três anos deixei meu emprego para empreender e ter mais qualidade de vida trabalhando em casa. Pensei que poderia ter um filho e continuar com meu negócio, mas desde que ele nasceu não consigo trabalhar em casa. Investi todo meu dinheiro nisso e agora não tenho retorno nenhum. Virei uma “dona de casa” e nunca quis isso pra mim. Dependo financeiramente do meu esposo e isso é uma grande decepção para mim e minha família, ninguém nunca imaginou isso para mim.

Às vezes penso em colocar o bebê numa creche e voltar a ter um emprego formal, só para eu voltar a ter o MEU dinheiro, mas o salário que eu receberia seria igual à mensalidade da creche, seria como trabalhar para deixá-lo lá e isso não resolveria meu problema.
Eu amo ser mãe em tempo integral, sinto que esse tempo que estou dedicando ao meu filho fará diferença na sua vida, assim como tem feito na minha. Mas eu odeio ter aberto mão da minha independência financeira.
Eu odeio depender do meu marido. Não gosto de lhe pedir as coisas. Passei toda a gestação me virando com as roupas que tinha, sem comprar uma única peça “para gestantes”, com vergonha de ter de pedir-lhe dinheiro. A maior parte do enxoval do bebê foi minha mãe quem comprou, pois para mim é mais fácil aceitar presentes dela do que pedir dinheiro ao meu marido.
Há três anos não compro uma roupa, nem um sapato, não pinto as unhas e até o cabelo eu cortei para dar menos trabalho de cuidar. As roupas novas que tenho foram minha mãe quem me deu, de aniversário e de natal.
Meu marido não se preocupa com isso, não se atenta para isso. Não acho que faça por mal, acho que se eu lhe pedir ele me dará, assim como ele sempre dá a qualquer um que o peça. Mas eu o vejo sempre tão preocupado em economizar, que não tenho coragem de lhe pedir nada para mim.
Às vezes me acho uma idiota. Quando vejo outras mulheres que não trabalham fora todas bonitas, usando jóias e roupas da moda, compradas pelos maridos, eu penso que eu poderia ser assim. Por que os maridos delas lhes compram roupas e jóias e o meu não? Por que elas têm coragem de usar o dinheiro “do marido” para comprar coisas para elas mesmas e eu não?
Queria conseguir sentir que o dinheiro dele é o “nosso dinheiro”. Queria poder decidir onde gastar e comprar qualquer coisa para mim sem sentir que ele está me fazendo um favor, pois não está. Isso é muito claro para nós dois: eu estou em casa cuidando do nosso bebê porque isso é o melhor para ele. Não vou ficar em casa para sempre. Mas às vezes parece que vou e me sinto no fundo do poço.
Estou me sentindo assim agora e precisava desabafar. Eu odeio não poder fazer algo que eu esteja com vontade sem depender dele. Odeio sentir que estou limitada pela vontade ou pela disposição dele. Odeio ter que pedir para ir a algum lugar. Odeio ter aberto mão da minha independência para ser mãe. Homem nenhum (ou quase) precisa fazer isso. Isso é massacrante.

Anúncios

2 comentários Adicione o seu

  1. Luana disse:

    Boa noite! Acabo de ler seu desabafo e confesso que é muito parecido com o meu… Sempre trabalhei, tive minha independência financeira e quando tive minha bebe, há 2 anos e 4 meses atrás optei por não voltar da licença maternidade. Dois dias após o nascimento da minha filha, perdi meu pai e acredito que isso tbm tenha me ajudado a tomar essa decisão … Não tem sido fácil depender do meu marido, não me falta nada graças a Deus, ele me dá dinheiro mas falta alguma coisa… Ao mesmo tempo que penso em colocar minha filha na escolinha para retomar minha vida profissional, tenho um enorme sentimento de culpa só de pensar em deixa lá… Sinto q meu dever de mãe é cuidar dela 24 horas por dia… E com isso meu casamento vai ficando mal, acho q desconto minha frustração no meu relacionamento… Defeitos que antes não via em meu esposo hoje me incomodam profundamente, a ponto de pensar se realmente algum dia tivemos algo a ver um com o outro.

    Curtir

  2. Ada disse:

    Amiga, li seu texto e fiquei muito comovida. Também sou mãe de um menino. O meu tem 3 anos. E sei como se sente. Já abri mão de trabalhar para cuidar dele, em casa, e sei como dói a dependência financeira. Não tenho família que me sustente. Sempre tive que me virar. Só te digo uma coisa: você vai conseguir sair dessa “bad” e se reeguer. Logo mais, estará novamente com um novo emprego/trabalho e sua criança ficará bem onde estiver. O tempo cuidará. Você não é a única e não estar só. Boa Sorte e Fuerza!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s